segunda-feira, 24 de abril de 2017

Seis finais consecutivas. Um marco histórico no futebol de Alagoas

Tudo começou no dia 16 de Dezembro de 2010. Lá estava o então conselheiro regateano Marcos Barbosa para ser aclamado o novo Presidente Executivo do CRB para o biênio 2011 e 2012. Ali começava também a grande trajetória dessa gestão. Entre erros e acertos surgia o clube que em seis anos viria a disputar todas as finais do campeonato local, vencendo quatro, das cinco disputadas até agora. É algo realmente para ficar registrado na história deste clube centenário e também de forma concisa dentro do  futebol alagoano.

Todos devem estar se perguntando.
Como essa diretoria conseguiu tamanho feito?
Para quem acompanha de perto o futebol de Alagoas fica fácil de responder. A forma como o Marcos Barbosa vem conduzindo o clube não é novidade para ninguém. Uma administração pautada na responsabilidade financeira, sanando as dívidas e usando a velha política dos “pés no chão”.

São seis finais seguidas, em seis anos de administração. Reflexo do que se faz fora de campo. O clube não tem dívidas em atraso, não antecipa há anos as taxas das competições, prática normal até dos grandes clubes do país, não tem processos trabalhistas e nem tão pouco algum impedimento no recebimento de receita. Um grande contrato com um das grandes empresas públicas do país e um centro de treinamento de causar inveja em muitos times do eixo sul/sudeste do Brasil. 
Seis anos na Copa do Brasil, cinco na Copa Nordeste e três anos consecutivos na série “B", vem lhe rendendo cotas de patrocínio que ajudam demais um gestor, mas nada disso valeria se todo esses bônus fossem mal empregados.
Não podíamos esquecer dos que lhe cercam. Barbosa não esta sozinho nesta empreitada, tem uma super equipe lhe auxiliando dia-a-dia e um profissional gabaritado em seu departamento de futebol, estamos falando do jovem  Alarcom Pacheco, responsável direto pela montagem da equipe todos estes anos. 
Com tudo isso dito, as coisas não poderiam ser diferentes. Não é mesmo?

O CRB irá disputar o título deste ano contra o seu maior rival, o CSA, em dois jogos. Será o quingentésimo sétimo e oitavo confronto entre eles. O alvirrubro alagoano tem vantagem no confronto, são quarenta e uma vitórias a mais. Na decisão de 2016 entre os dois rivais, deu “Galo”, com um 2x0 e um 1x0. 
Independente do vencedor deste ano, o Clube de Regatas Brasil, seu Presidente e todos que fazem o CRB, podem dizer: “Já somos campeões”.
Como diz o hino escrito por Jaime de Altavila :
“...Pois nosso norte. De glórias traçado está, Façamos o peito forte. Que a pátria forte será...”
APOIO:

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Campeonato Alagoano de 2017 acabou para os árbitros locais


Faltando ainda duas fases para o ALAGOANO 2017 terminar, ou seja, oito jogos apenas (quatro pelas semi e duas partidas pela final), clubes de Alagoas envolvidos nas semifinais do campeonato local solicitaram arbitragem de fora para as partidas deste meio de semana pela competição. Esse assunto é verdadeiramente o mais polêmico da arbitragem e o "calcanhar de Aquiles" de qualquer Ceaf, pois os árbitros trabalham toda a competição visando chegar os jogos decisivos, a chamada "cereja do bolo", e por fim, ficam fora da grande festa.
Aqui na "terra dos Marechais" esta prática já se tornou corriqueira, entra ano e sai ano e os dirigentes fazem este pedido a Federação alegando imparcialidade nas fases decisivas. Ora, porque os dirigentes deixam de confiar na arbitragem local nestas fases finais, se conseguiram chegar exatamente nela tendo o comando das partidas arbitradas pelo quadro local? É difícil conseguir uma resposta para esta pergunta. 

É bem verdade que alguns erros aconteceram dentro dos jogos, foram pênaltis polêmicos, impedimentos que foram dados de formas equivocadas que influenciaram diretamente no resultado do jogo... 
Culpa dos árbitros, da Ceaf, da Federação ou dos clubes? Ou de todos juntos?
Mas isso não é privilégio apenas de Alagoas, outros estaduais também fazem disso uma prática habitual.

É muito difícil ver a Federação e sua Comissão assumirem tamanha responsabilidade. Já que em alguns Estados, o tal pedido é inserido no próprio regulamento, que é o caso de AL. Todas as vezes, o Presidente da entidade opta por atender o filiado. Alguns Presidentes de Ceaf's, que não é o caso especifico em destaque, são contra esta decisão unilateral, mas acabam também sedendo por não terem autonomia neste assunto.
É triste mas é a pura realidade da arbitragem brasileira. Não há investimentos que possam garantir ao árbitro dedicação exclusiva no aperfeiçoamento. Apenas uma pré-temporada é realizada no inicio do ano e geralmente ela dura entre três dias á uma semana no máximo, o que não é suficiente para toda uma temporada.

Quando teremos arbitragens sólidas nestas praças emergentes? Essa é uma outra pergunta que acreditamos não ter resposta a curto prazo, até porque no Brasil, nem muito menos nos Estados, exite um projeto voltado para os "homens/Mulheres de preto". Nós não nos demos conta de que a arbitragem precisa ser levada mais a sério e que um plano de ação deveria ser aplicado a nível nacional. Até existe algo desta maneira sendo desenvolvido pela C.A.CBF, mas na opinião deste blog, estas ações não representam a unidade da arbitragem, ela esta sendo desenvolvida para poucos.

Se você ficou curioso para saber quais clubes fizeram a solicitação. Vou dizer, foram ASA e Murici que solicitaram arbitragem FIFA para as semifinais nos jogos contra CSA e CRB respectivamente. Jogos já neste meio de semana.

Segue os documentos oficiais das duas equipes:

Esperamos ver um dia isso não acontecer mais aqui em Alagoas, mas para que esse sonho seja realidade, precisamos mudar muitas coisas, principalmente a mentalidade dos dirigentes do apito. Segue o jogo... ou... Segue a rodada e a competição?

APOIO:


sexta-feira, 14 de abril de 2017

Árbitro CBF de Alagoas, Charles Hebert, assume a pasta de Secretário Executivo do Esporte, Lazer e Juventude

Charles Hebert e Claúdia Petuba
No último dia 12, o árbitro pertencente ao quadro da CBF Charles Hebert foi nomeado pelo Governador Renan Filho para o cargo de Secretário Executivo do Esporte, Lazer e Juventude. Função anteriormente denominada Secretário Adjunto, que seria uma espécie de Vice – Secretário da SELAJ, pois a titular da pasta é a jovem e dinâmica Claudia Petuba que vem consolidando seu trabalho ano após ano.

O novo Secretário estava na Superintendência do Estádio Rei Pelé, ao qual era Diretor/Gerente desde 2015. Agora amplia suas funções e responsabilidades, transformando-se num homem de confiança e braço direito da Secretária Claudia Petuba.
Na minha visão, uma excelente escolha do Governador e da Secretária Claudia Petuba, tendo em vista conhecer o Charles no meio da arbitragem, e ver características em seu perfil de pró atividade, liderança e coletividade, também o vi como um bom gestor sindical, além de ser um dos melhores árbitros do nosso estado. Sua formação na área dos Esportes como Professor de Educação Física também irá ajudá-lo em sua nova missão.
Desejo um excelente trabalho ao Charles, e que o mesmo possa ajudar a ampliar e desenvolver as ações de políticas públicas do Esporte, Lazer e Juventude no nosso estado.

Boa sorte.

APOIO:

terça-feira, 11 de abril de 2017

CEAF-PE não entende porque filiado solicitou arbitragem de fora

Salmo Valentim, Presidente da CEAF-PE

Não é de hoje que a Diretoria do Sport Club do Recife solicita arbitragem de fora do quadro local para comandar jogos importantes do clube dentro do campeonato. Difícil é entender o porquê da solicitação do clube rubro-negro nesta temporada de 2017. Foi o que afirmou o Presidente da CEAF , Salmo Valentim, que chegou a declarar na imprensa pernambucana que até respeita a posição, mas não ver necessidade, já que dentre os mais de 30(trinta) jogos da competição, a Comissão só teria recebido apenas uma reclamação e de uma partida em que o árbitro, mesmo não atuando bem, não teria interferido no resultado final do jogo. Nesta ocasião, depois de analisar os lances afastou o mesmo da competição.

O representante do Sport na Federação, Gustavo Aguiar, também manifestou solidariedade ao quadro local quando afirmou que o pedido não tem nada a ver com este campeonato e que se tratava apenas de uma precaução pelo que aconteceu nos últimos anos. O dirigente também disse:
“Estamos nos resguardando. Não há nada contra o quadro atual de árbitros de Pernambuco. Até o erro do árbitro que foi punido não tínhamos contestado nada", explicou Gustavo Aguiar.
O Diretor de futebol do Náutico, do adversário do Sport na semifinal do Pernambucano, Eduardo Henriques, avisou através da imprensa que também não concorda com a importação.

No entanto, mesmo discordando do posicionamento do filiado rubro-negro, o Presidente da CEAF-PE garantiu que vai respeitar a decisão a ser tomada pelo Presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho.
Para finalizar, Salmo Valentim ainda completou dizendo:
"Sou apenas um funcionário e tenho que respeitar a decisão. Só espero que, quem venha trabalhar nos jogos, seja daqui ou de fora, faça uma grande arbitragem”.

O blog do Torcedor na Mira se posiciona ao lado da Comissão de Arbitragem de Pernambuco e reafirma que não concorda com o pedido entendendo que desta forma fica difícil de conseguir uma renovação no quadro, muito menos revelar valores. É preciso valorizar mais a arbitragem local, principalmente nestes jogos decisivos. 

APOIO:

domingo, 2 de abril de 2017

Jornada Técnica da CBF em Pernambuco foi um sucesso

O Blog do Torcedor na Mira acompanhou com exclusividade a nova metodologia de trabalho da Comissão de Arbitragem da CBF na preparação dos árbitros pernambucanos
visando os campeonatos Brasileiros que estão para começar. E podemos dizer, uma explanação bem diferente do que costumeiramente víamos em outras temporadas. A didática mudou e mudou para melhor, os conceitos também foram modificados. Tudo esta mais leve, mais transparente, pelo menos foi isso que vi nestes quatro dias na jornada técnica na sede da Federação Pernambucana de Futebol. 

Percebi também que a preocupação da Comissão é fazer com que o árbitro só se preocupe com a melhoria do seu desempenho e esqueça aquela coisa costumeira da desmotivação por questões extra campo, como apadrinhamentos e indicações, pelo menos foram as palavras do Presidente Coronel Marinho em sua breve, mas importante participação no evento. Marinho afirmou por diversas vezes que agora, em sua gestão, a meritocracia será utilizada como critério não só para a qualificação dos escudos, mas também para as escalas de jogo e que para que isso aconteça, a CBF investiu em um moderno modelo de analise de desempenho integrado onde permitirá não só aos diretores de arbitragem mais também ao árbitro acompanhar os seus erros e acertos, o que lhe trará mais confiabilidade em buscar a excelência. A ferramenta é tão inovadora e tecnológica que permitirá ao árbitro, em sua página no Portal do Árbitro,o acompanhamento dos lances dos jogos em vídeo. Não será mais utilizadas as notas, segundo o mandatário da arbitragem nacional, elas não diziam nada.

Mas voltando a falar da Jornada e das inovações, falei em transparência, e vou citar como principal exemplo a correção da Avaliação Teórica após a conclusão da mesma, mostrando que a preocupação é totalmente didática e não avaliativa, apesar de ter o peso da não classificação. Mas foi perceptivo a satisfação de todos com esta nova forma de aprendizado, pois o árbitro já sai da sala de aula sabendo se foi bem ou não, sem contar que todas as questões foram discutidas e entendidas no mesmo instante com o auxílio direto do livro de regras sendo consultado para embasar ou descartar as alternativas. Por falar em prova, achei também a mesma, muito bem elaborada, simples e com situações
real de jogos, nada daquelas coisas de: "a bola bateu no cachorro, depois no pássaro, no capacete do Policial,  sobrou para o atacante e ele fez o gol". Brincadeiras a parte, já vi cada prova de Presidente de CEAF que poderíamos dizer que parte delas foram elaboradas com  ajuda do médium "Chico Xavier" . Nessa não. Perguntas especificas, diretas, com respostas objetivas mostrando que o acerto do árbitro ratificaria  a sua concentração, competência e aprendizado.

Como a palavra mais utilizada nestes dias foi "Uniformização", as palestras não podiam terminar de forma diferente. Foram apresentados vários vídeos de como o árbitro deve se comportar em determinadas situações dentro do campo de jogo mediante as orientações dos instrutores. As novas recomendações da regra foram bem colocadas e até um fôlder de uma dor de cabeça da arbitragem foi criado, o "mão na bola ou bola na mão?". 
Devemos citar também o belo desempenho dos instrutores que aqui estiveram. Roberto Perassi e o neófito, Cláudio Silva, estavam altamente sincronizados, além de muita simplicidade e atenção. Paulo Camelo o de sempre, objetivo e competente. Há, por falar em teste físico já que citamos o professor, gostaria de destacar também que a nova mudança na metragem e no tempo de descanso exige do árbitro um melhor condicionamento físico, mas vi também que o próprio instrutor estava mais leve e incentivando muito mais do que cobrando. Acho que a carreira internacional do nosso Paulo fez muito bem a ele e a todos.
No demais, ressaltar o grande desempenho da Comissão de Arbitragem de Pernambuco e também do Sindicato local pela logística do evento, percebi uma grande preocupação por parte da CEAF para que tudo saísse como planejado e não foi diferente. Uma simbiose peculiar, já que Federação e entidade de classe sempre buscaram o entendimento e porque não dizer que em Pernambuco isso acontece a muito tempo, fruto da capacidade de entendimento do antigo Presidente, Emerson Sobral, para com a comissão, quando ainda era uma junta diretiva que tinha Salmo, Francisco e Erich à frente das ações. E agradecer ao Presidente Salmo Valentim por mais esta oportunidade de mostrar para o Brasil o que, e como foi feito mais um evento a nível nacional na sua cidade, no seu Estado.

Gostaria de terminar a matéria dizendo que tudo isso que foi relatado acima nos deixa esperançoso e confiante de que o caminho a se percorrer está bem traçado, e não é de hoje, mas que na prática isso levará tempo e perseverança. E dizer também, mesmo depois de tanto otimismo da minha parte, pois sou um entusiasta da arbitragem, espero que tudo isso não fique no papel e nas belas palavras, que realmente as coisas funcionem com meritocracia e com transparência, e que não fique apenas em promessas. Como diz o velho ditado português: "Quem vive de promessa é santo".

APOIO:

quinta-feira, 30 de março de 2017

Jornada Técnica de Arbitragem simultânea no Nordeste

foto: Fernanda Durão - Assessoria FPF
A C.A/CBF realiza nesta ultima semana de Março e primeiros dias de Abril a Jornada Técnica de Arbitragem simultaneamente em cinco Estados do Nordeste. Pernambuco, Maranhão, Sergipe, Bahia e Ceará estão recebendo os instrutores da Confederação para o aperfeiçoamento dos fundamentos técnicos e conceitos estabelecidos pela FIFA, tudo de acordo com as novas emendas estabelecidas pela entidade maior do futebol mundial.
Na pauta, vários assuntos relacionados e direcionados a uniformização  dos critérios utilizados nas competições nacionais. Treinamentos e avaliações (físicas, teóricas e práticas) habilitadoras para a SENAF 2017 visando os campeonatos brasileiros, também estão sendo realizadas neste período.

Estes encontros abrangem ainda temas relevantes como a implantação do protocolo para o Árbitro Assistente de Vídeo com treinamentos estabelecidos para árbitros e instrutores de arbitragem. Os Presidentes de CEAF’s  terão dentro do cronograma a apresentação das ferramentas de analise de desempenho dentre outros assuntos.
Acompanhem o calendário dos cursos já realizados e dos que ainda irão acontecer até o final do mês de Abril.

Instrutores Roberto Perassi/SP e Cláudio José/RJ estão em Pernambuco coordenando a jornada de Arbitragem da CBF.


APOIO:

quarta-feira, 29 de março de 2017

Eu bem que avisei, segue o jogo!

Pecaram aqueles que queriam poetizar uma situação de risco, grave, insensíveis a vida de um ser envolvido sem nem ter chance de recusar a escala. Pecou a profissional por não aceitar que seu estado impunha limites físicos óbvios a pratica esportiva de alto rendimento e o que parecia ser pioneiro, inovador, futurista, se tornou em prejuízo para o clássico. 

Querer inovar, parecer ser visionário, inclusivo, não depende somente de dar uma canetada midiática, sem cuidados minimamente técnicos. O gestor precisa mostrar capacidade, discernimento, preocupação com seus comandados e aqueles envoltos a suas decisões.

No clássico CRB x CSA já prejudicado por ser sem a presença de publico, mas recheado de rivalidade e importância, a senhora assistente Brigida, no auge do seu quinto mês gestacional, chamou os holofotes, não por estar ali como a primeira profissional gravida a atuar numa partida da primeira divisão, mas sim por errar um lance de fácil interpretação. Sim o erro é inerente a profissão, humano, mas visivelmente foi ocasionado por falta de posicionamento adequado, fato ocorrido em toda a partida, conforme informado por quem assistiu ao jogo. Longe dos lances, aparentando nervosismo, não conseguindo acompanhar a linha do penúltimo defensor, pouco auxiliando o central na marcação de faltas, Brigida coroou sua atuação ao marcar de forma equivocada um impedimento com o atacante quase 1 metro em posição legal, interferindo diretamente no resultado final da partida.
Desde a escalação, totalmente equivocada aos olhos de especialistas, médicos e profissionais de arbitragem, que o NM tentou alertar de forma técnica, um possível infortúnio ao jogo. Era nítido que a assistente teria problemas físicos que a impossibilitaria de acompanhar a velocidade que exige atualmente uma partida de futebol, além claro, do risco de uma bolada, choque que poderia afetar a sua saúde e de seu bebê. Graças a Deus o erro foi só técnico e sem danos físicos. 

Prejuízo evitável, prejudicados inocentes e a inovação ficou por conta de um impedimento errado marcado pela assistente. Se em Pernambuco se iniciou novamente um ciclo feminino no comando de grandes jogos, Alagoas estacionou essa confiança tão duramente buscada por essas guerreiras. Lamentável. 

Difícil de entender como toda crônica esportiva de Alagoas se calou diante o fato ocorrido, basta olhar os sites, blogs, imagens ( nos melhores momentos das tvs que fizeram o jogo não tem o lance) e até mesmo comentários na internet, daqueles que sempre estão criticando a arbitragem, muitas vezes sem conhecimento de causa. É de se estranhar até a inerte fase dos dirigentes do CSA que desta vez não esbravejaram nos microfones das emissoras como fizeram no clássico pela Copa do NE deste ano.

Em tempos de igualdade e luta por conquistas, o NM tem certeza que a mulher deve estar onde ela bem quiser, mas com responsabilidade e meritocracia.
Segue o jogo! 
Até porque o Hexagonal já irá começar nesta quarta-feira(29). Só toquei neste assunto novamente para conscientizar a todos que é preciso respeitar e amar mais a arbitragem de uma forma geral.

APOIO: